Dicas para quem deseja se especializar no Exterior

Bom, semana passada recebi uma mensagem de uma leitora me pedindo dicas para estudar Moda fora do país. Como a dúvida dela pode ser também de outras pessoas, eu que havia me comprometido a enviar um e-mail compilando todas as informações que eu tinha, resolvi transformar isso em um post.

Noto uma receptividade muito maior por parte dos outros países agora, do que há anos, em receber estudantes brasileiros. Falar de estudo no exterior é algo que realmente geraria muito conteúdo e provavelmente resultará em outros posts futuramente aqui, mas para ser breve e atender as dúvidas imediatas, faço esse novo post.

Atualmente as cidades mais reconhecidas em Moda, como influenciadoras, são:

– Tradicionais: Nova York (EUA) , Paris (França) , Londres (Inglaterra) , Milão (Itália) , Madrid e Barcelona (Espanha);

– “Exóticas”: Xangai (China) e Istambul (Turquia).

Apesar dessas cidades serem as que tem maior visibilidade atualmente, não significa que são os únicos lugares onde você poderá encontrar um ensino de qualidade. O governo alemão, por exemplo, distribui anualmente bolsas de mestrado para estudantes brasileiros na área de Arte e Design, incluindo Moda. O programa Erasmus (financiado pela União Europeia) oferece também bolsas para brasileiros com destidos a diversos países. E as próprias universidades oferecem bolsas para estudantes estrangeiros, como é o caso da PoliMi que oferece bolsas de até 10 mil euros anuais.

Portanto, se o seu desejo é estudar Moda, não se restrinja só a caçar as melhores escolas. Se a sua intenção é passar mais de 6 meses em um país, comece selecionando qual deles possuem uma cultura que pra você será mais fácil de se adaptar, assim como se a sua necessidade é de uma ajuda financeira para viabilizar isso, pesquise quais países e quais universidades te dão a oportunidade de pleitar uma bolsa. O Istituto Europeo di Design, por exemplo, que tem filiais em diversas cidades incluindo Rio de Janeiro e São Paulo, já tem a tradição de anualmente promover concursos culturais para a distribuição de bolsas de estudo.

Se você quer ter um certificado de peso mas não tem condições de se ausentar do país, a Parsons, por exemplo, oferece cursos online na área. Se você não se encaixa nos perfis de inscrição para bolsas de estudos e tem um orçamento mais apertado, o Espacio Buenos Aires na Argentina ministra cursos de média e curta duração, com valores cobrados em Peso, que é uma moeda desvalorizada em relação ao Real e acaba tornando essa experiência financeiramente mais acessível.

Vi recentemente que este ano a Universidade de Coimbra oferecerá vagas para brasileiros através do Sisu, que já vem sendo adotado como método seletivo para as universidades públicas brasileiras. Eu não sei quais os cursos serão ofertados, mas aconselho aos que têm interesse,  procurarem maiores informações.

Quem desejar consultar o ranking das 50 melhores escolas em Moda do mundo, verifique a lista divulgada pelo Fashionistas em 2013. Onde por exemplo, consta a AMFI como vigésima sétima colocada, sediada em Amsterdã ❤ , e tem bolsas distribuidas aos estudantes brasileiros pelo programa Ciência sem Fronteiras.

Pra finalizar… Eu realmente acho que independente do fato de você sair do país para fazer um curso de extensão, ou fazer 2 anos de mestrado, o seu currículo dentro do Brasil já terá um peso diferenciado em relação a maioria da mesma área. Então as primeiras coisas ao meu ver que se devem ter em mente, são: orçamento disponível e probabilidade de adaptação ao local de destino. Você pode ter um gasto zero através de alguma bolsa, um gasto mínimo que acredito que fique por volta de 4 mil reais, até gastos que giram em torno de 80 mil reais anuais.